domingo, 23 de fevereiro de 2014

Mulher dá a luz em jardim após ser expulsa de hospital por não falar corretamente o idioma


Imagem: Reprodução
Com dores de parto, Irma López Aurelio chegou ao Centro de Jalapa Diaz de Saúde, no México, ainda de madrugada, acompanhada pelo marido. A clínica não estava funcionando normalmente, porém deveria ter uma equipe de emergência. Disse, aos poucos que estavam trabalhando, que estava prestes a dar à luz. A paciente relatou que estava há horas tendo contrações e estava completamente dilatada.
Os médicos fizeram-lhe algumas perguntas, mas não a atenderam. Argumentaram que a mulher, índia, não falava espanhol perfeitamente e que não a compreenderam. E que, como havia sido assistida por parteiras durante a gravidez, eles não tinham certeza do que estava acontecendo. Ignoraram o óbvio: a mulher precisava de ajuda.

Irma esperou mais de duas horas. Tentou obter o apoio de enfermeiros e do pessoal administrativo , mas ninguém a internou, ou sequer deu-lhe atenção.

Assim, nas primeiras horas da quarta-feira passada, foi para o jardim do centro de saúde, e lá, sem assistência, deu à luz uma criança de 2 quilos e 400 gramas. Só então a socorreram.

A polêmica
Um cidadão que estava no local tirou uma foto do que aconteceu, logo após o parto. Ele a viu, de cócoras, com a criança na grama, ainda ligada pelo cordão umbilical.

Em sua conta do Facebook, Eloy Pacheco Lopez explicou: "Depois de esperar atendimento por duas horas, deu à luz no pátio do hospital, depois de ser ignorada pela equipe sob a direção do médico Adrian Rene Cruz Cabrera" (sic) .

A imagem foi reproduzida pelo Portal Route 35 e começou a se espalhar no Twitter, onde se multiplicavam comentários que condenavam a conduta da equipe médica do hospital e o secretário de saúde, Germán Tenório Vasconcelos.

O governo do Estado, em resposta, emitiu um boletim afirmando que ordenou "uma imparcial e completa investigação da equipe médica do Centro de Saúde de Jalapa Diaz, para determinar responsabilidades sobre a suposta negligência médica no processo de Irma Aurelio Lopez, que deu à luz uma criança na manhã de quarta-feira, 3 de outubro".

No entanto, o secretário de saúde ainda tentou virar a situação a seu favor. Em comunicado do governo, diz: "É terrível que este crime tenha sido utilizado para fins de curiosidade por meio de redes sociais, prejudicando a imagem da mulher e de seu filho, em primeiro lugar, e, em segundo lugar, afetando a imagem dos trabalhadores da saúde " .

A irritação oficial aumentou porque o internauta que postou a foto também tinha adicionado em sua publicação: "ENQUETE : Você acha que o governo está cumprindo a sua promessa de melhorar o sistema de saúde em Oaxaca?". As respostas para a pergunta induzida foram esmagadoramente contra o governo.

Os funcionários que trabalham no Centro de Saúde Rural "C" perceberam as falhas de quem deve atender às mulheres. A clínica rural não tem salas de parto suficientes e, muitas vezes faltam substâncias como a oxitocina, aplicada para induzir ou acelerar o trabalho de parto.

A Secretaria de Saúde informou, através de um comunicado, que a mulher chegou ao Centro de Jalapa Diaz em trabalho de parto avançado com grande dilatação, resultando na expulsão do bebê antes que ela entrasse na unidade de saúde para atendimento.

O comunicado afirma que o incidente ocorreu "na manhã de quarta-feira, 3 de outubro", e não se refere ao meio-dia, como fez o usuário do Facebook. O problema é que 3 de outubro foi uma quinta-feira.

"O estado avançado do trabalho de parto, juntamente com a falta de pessoal no turno da noite no Centro de Jalapa Diaz de Saúde, levou esta mãe a ter seu filho em condições precárias".

Ele explicou que, segundo a equipe de plantão Centro de Saúde de Jalapa Diaz, na quarta-feira a mulher foi com o marido para a unidade médica para ser atendida e recebeu instruções precisas para a preparação para o parto, mas já estava em um estágio avançado do trabalho de parto.

"Infelizmente, a mulher, em desespero, decidiu ir para a parte de trás deste espaço, onde deu à luz seu filho, que apresentava boa saúde e tinha um peso de 2 quilos 400 gramas e um tamanho de 48 centímetros. "

Só depois do nascimento no jardim é que deram atenção ao recém nascido e sua mãe. O bebê foi vacinado e recebeu os primeiros cuidados, e a mãe recebeu tratamento. 

A mulher "tem problemas em entender espanhol", mas "nada disso é desculpa", admitiu o secretário de saúde. "Mesmo nas áreas mais remotas do país isso é uma obrigação com o ser humano".

Questionado sobre uma suposta paralisação no centro, admitiu que há suspensão de atividades em algumas unidades, mas ressaltou que o sindicato tem sido "muito responsável" para fechar apenas escritórios administrativos e "não teria motivos" para negar atendimento aos cidadãos.

Rondônia VIP
Edição e revisão: Política na Rede 
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...